quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Como um tolo no meio da ponte

É assim que me sinto!

Por um lado, ando a maquinar como poupar mais no próximo ano, como vou gerir melhor as minhas finanças, onde reduzir custos!

Por outro lado, a pensar em aproveitar os saldos para comprar roupa (que preciso (quero), para deixar de se me sentir horrível nos trajes que visto todos os dias)!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Sempre a aprender

A S. esteve doente na semana passada.
Sintomas normais de gripe (febre, mal estar, tosse, ranho).
Mas logo no segundo dia da dita gripe, começou a mancar, a desequilibrar-se com facilidade. Deixou inclusive de correr e começou a pedir ajuda para subir escadas.

Liguei à terapeuta que a acompanhou na Neo do HSJ e que chegou a ir lá a casa fazer uns exercícios com a S no primeiro ano de vida, para que ela a visse.
A terapeuta não conseguiu identificar nada. Confirmou que, de facto, o andar não estava normal, que uma das pernas oferecia alguma resistência, mas a verdade é que a S. não se queixava no manusear da perna (aliás, nunca se queixou de dores), pelo que não parecia ser nada provocado por traumatismo.

Ao fim de uns dias daquilo, comecei a ficar preocupada. Começa a passar-nos pela cabeça tudo, até questões neurológicas.

Como a febre também não dava tréguas ao fim de uma semana, marquei consulta com o pediatra e lá fomos.
O diagnóstico foi rápido e sem alarmes: Sinovite da anca! (Sinoquê???)

Parece que é mais ou menos comum, em situações de infeções víricas em crianças, que o bicho se instale na zona da anca causando inflamação dos tecidos (isto é uma explicação super leiga minha. Podem ler mais aqui, por exemplo).

Dois dias de ibuprofeno de 8 em 8 horas e a coisa passou.

Pregou-nos um susto mas aprendemos um novo termo médico! :)

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Doente

Febre, ranho, tosse...
Não a largam desde sábado à tarde!
Uns dias um pouco melhor, uns dias pior, mas sempre o mesmo cenário.
Mais carente, mais necessitada de colo, de olhos inchados e semi cerrados.
Às vezes, até sem energia para brincar.

Hoje voltamos ao médico. A ver se podemos fazer algo mais para isto melhorar! Já são muitos dias a paracetamol e ibuprofeno.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Há 4 anos

Há 4 anos atrás era sexta-feira. Um dia normal de trabalho.
A meio da manhã começou o incómodo, os primeiros sinais... não os percebi. O médico também não.
Disse-me para descansar, tomar magnésio, buscopan para as dores.
Ao início da tarde, ao fim de dose dupla de comprimidos, as dores eram insuportáveis e apareceu a perda de sangue, bem pequenina.
Demorou-nos (demorou-me) a tomar a decisão de ir ao hospital.
A viagem foi uma tortura.
No hospital já a perda de de sangue era enorme.
O veredicto: trabalho de pré abortamento.
21 semanas.
21 semanas sem qualquer problema, sem qualquer dor, sem qualquer enjoo. Uma gravidez santa, como lhe costumava chamar... até ter terminado abruptamente.

Em momento algum, mesmo com as dores e com o sangue, me passou pela cabeça tal desfecho,até mo terem dito. Pode parecer estranho mas foi mesmo assim. Talvez pela ignorância que fez com que não fosse para o hospital logo ao primeiro sinal, talvez um mecanismo de defesa.

Naquele dia, perdi um pouco de mim, que demorei muito a reencontrar (ainda que apenas parcialmente).
É um ciclo fechado, especialmente depois do nascimento da minha linda S.
Mas por vezes penso nisto e ainda me corre uma lágrima.

Acho que é algo que nunca se esquece, apenas fica mais ligeira a dor.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Dia Mundial da Prematuridade



Ontem foi o Dia Mundial da Prematuridade.
Nunca me tinha apercebido dele até ao nascimento da minha pequenina. Por isso percebo que passe ao lado da maioria das pessoas, ainda que quase todas conheçam alguém que nasceu ou que teve um bebé antes do tempo.

A verdade é que a prematuridade (como tantas outras coisas, sejamos francos) só afeta verdadeiramente quem a vive.
Mesmo quem tenha tido familiares, amigos, colegas, conhecidos que passaram por isso, não tem a real noção do que é ter um filho prematuro. 
A minha irmã teve dois prematuros: um de 35 semanas e outro de 26. Ambos nasceram antes da S. 
Tive por isso possibilidade de saber o que era isso de ter um filho antes do tempo, demasiado pequeno para estar já cá fora. Mas só o soube a sério quando a S. nasceu. Até ali, achava o que a maioria acha: que é uma questão de paciência e esperar que eles cresçam.
Não é. É muito, muito mais que isso. É sofrer por sairmos do hospital sem eles, é temer pela sua vida, é o desespero de não poder fazer nada diretamente para os ajudar...

Lembro-me de, ao fim de umas 2 semanas do internamento, num dia que deve ter sido especialmente desgastante, enviar uma mensagem à minha irmã dizendo: "Só agora percebo o que passaste. Tu és uma heroína!"

A S. passou, depois desta mensagem, ainda mais umas 14 semanas na UCI de Neonatologia do HSJ. Foram 115 longos dias de internamento. Não vou mentir! Não foram 115 dias de incertezas, nem 115 dias maus. Alguns dias foram bons! E a reta final já tem pouco de incertezas.
Mas foi uma época muito dura. 
Suficientemente dura para nos deixar sem vontade de tentar um segundo filho.



quarta-feira, 9 de novembro de 2016

The dark ages are coming

Há uns 7 anos, tive uma conversa com o meu marido em que lhe perguntava se seria infeliz se ficássemos só os dois, se não tivéssemos filhos.
Ter filhos nunca foi verdadeiramente um objetivo de vida e a minha visão do mundo dizia-me que pôr crianças no mundo era quase uma crueldade.
A crise já se tinha instalado, já havia países em que a extrema direita ganhava eleições, as perspectivas para o futuro não eram grande coisa.

Ele dizia-me que eu era uma pessimista, que isso não eram razões para não se ter filhos e não sei que mais.
Deixei-me convencer. Duas gravidezes e uma filha depois, não me arrependo nada de a ter, adoro-a, é a luz da minha vida.

Mas hoje, com estes resultados eleitorais dos EUA, pergunto-me se não teria ficado melhor quieta. Se este mundo em que estamos não causará tanto sofrimento à minha filha, que me faça pensar se não teria sido melhor opção que ela nem sequer tivesse nascido.



Temo muito pelo futuro. Temo por mim, mas acima de tudo, por ela.
Acho que vêm aí tempos muito negros.
Espero estar errada, mas temo estar certa! 

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Para mais tarde recordar #13

A S. faz uma mini asneira (que já não me recordo qual).
Pego nela e digo:
  - A S. é marota!
  - Não, eu não sou marota! - responde ela.
  - Então, és... malandra!
  - Não, não sou malandra! Sou linda!

:D

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

70,3


Ontem pesei-me (já não o fazia há algum tempo) e esse foi o número que a balança me apresentou.
70,3kg. É muito. Mais 8,5kg que o meu mínimo pouco antes de engravidar.
Sou daquelas mulheres que ao fim de mais de 2 anos após o parto, ainda não perdeu o peso ganho na gravidez.
Pior: apesar das tentativas já aqui faladas, não me sinto verdadeiramente preparada e motivada para o perder.

Detesto não ter roupa em condições que me sirva.
Não gosto do número na balança.
Não gosto do que vejo no espelho.

Mas nada disto se consegue sobrepor à minha preguiça, ao meu estado emocional, ao meu cansaço...

Todos os dias penso em começar a alterar a minha alimentação, em deixar de comer isto ou aquilo, e substituir por esta ou aquela alternativa.
Mas logo de seguida, vou ao armário das bolachas, ou cravo um doce a alguém no trabalho.

Há um trabalho mental que preciso fazer (ou clique que precisa acontecer) para conseguir dar a volta a isto.
Até lá, tenho de dar-me por muito satisfeita por a balança não ter subido ainda mais.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Maria do Céu

Hoje a Maria do Céu faria 90 anos.

A Maria do Céu foi uma menina traquinas, muito inteligente a quem os pais não permitiram fazer mais que a 4ª classe, apesar da insistência da professora primária e apoio da família rica da terra.
A Maria do Céu era uma mulher tão despachada e trabalhadora, que os patrões acharam que uma máquina não conseguiria fazer o trabalho tão rápido como ela.
A Maria do Céu "só" casou aos 24 anos mas foi feliz mais de 60 anos com o seu Albino.
A Maria do Céu foi uma mulher dedicada ao seu marido e à sua família. Sem nunca contestar a autoridade do homem da casa, levou-o a permitir que os seus 6 filhos estudassem até quando o entendessem (numa época e zona do país onde o habitual era as crianças fazerem a 4ª classe e irem trabalhar).
A Maria do Céu era uma mulher paciente e educada mas de resposta sempre pronta.
A Maria do Céu adorava os seus netos e chamava-me, em pequenina, "o meu pintainho". Dizia que os netos eram todos bonitos mas que eu era especial! :)
A Maria do Céu partiu este ano para um descanso merecido na companhia de Deus e do seu Albino!

A Maria do Céu era a minha avó materna e foi das mulheres (pessoas) mais extraordinárias que conheci. Se um dia conseguir ser metade da mulher que ela foi, serei uma mulher feliz e realizada!

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Para mais tarde recordar #12

A S. acorda a meio da noite e começa a chamar por mim.
Chego ao quarto dela, e ela está de rabito para o ar, cara enfiada no colchão a tagarelar qualquer coisa.
Faço-lhe umas festinhas na cabeça.
    S. - Mamã, eu que estava a falar?
    Eu - Não sei, bebé. Que estavas a falar?
    S. - Num sei. Asneiras!

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Há males que vêm por bem

A minha placa (fogão) avariou. Já é a segunda vez este ano. Consideramos a hipótese de comprar uma nova, mas decidimos meter o orçamento da reparação ao seguro e pegou (por que é que não fizemos isto na vez anterior é algo que não consigo explicar). Não terá custos para nós, por isso, é melhor que estar agora a gastar dinheiro noutra.
Mas a peça que será necessária demora 2 a 3 semanas a vir. Ainda só passou uma desde que adjudicamos a reparação. E umas 3 desde a avaria. 
Havia que arranjar solução para as refeições!

Nos primeiros tempos, e como estávamos de férias, optamos por ir fazendo umas refeições fora, outras em casa dos meus sogros. Mas com o regresso à rotina do trabalho, não podíamos manter-nos nesse ritmo.

A solução alternativa era mais que óbvia: começar a dar uso ao robot de cozinha (ou como eu lhe chamo "a prima da Bimby") que há largos, largos meses estava parado em cima do balcão.
E começo a perceber a estupidez de ter a maquineta parada. Afinal, é simples de usar e facilita algumas coisas.
Não é nenhuma solução milagrosa, mas ajuda e já começo a desenrascar-me com ela e a conseguir fazer ajustes nas receitas e tudo.
E até já começo à procura de novos acessórios para a cozinha, tipo formas de bolos, só para experimentar algumas receitas! 


"Há males que vêm por bem", não é o que dizem? 
Esta avaria fez-me começar a aproveitar um investimento que estava parado, e isso faz com que não lamente nada que tenha acontecido! :)

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Melhores dias virão

Ora bem, deixa lá refletir sobre estes últimos dias:

  • A professora de Babyoga desapareceu do mapa. Telemóvel desligado, não apareceu à aula de sábado de manhã, não responde a sms (telemóvel desligado, lá está) nem a mensagens via facebook. Não tenho mais contactos nem referências por isso... é esperar. Não sei se lhe (ou a alguém próximo) aconteceu alguma coisa, se desistiu do projeto, não faço ideia... 
  • No sábado à tarde dei um tombo nas escadas com a S. ao colo. O instinto fez-me protegê-la e por isso ela está, felizmente, bem (não ganhou para o susto, mas pronto, com isso vivo bem) mas eu fiquei partidinha. No domingo ainda me sentia completamente moída e sem forças (acho que mais do impacto do susto e do medo que tive que ela se magoasse, do que verdadeiramente da queda, que me deixou umas negras valentes mas pouco mais).
  • Hoje comunicaram-me, no trabalho, alterações organizacionais que eu, honestamente, não esperava. Pelo menos, não com aquele conteúdo. Deixo de estar diretamente ligada à Administração e passo a reportar hierarquicamente a uma pessoa a quem não reconheço conhecimentos e interesse na área em que trabalho e com quem não tenho especial empatia, o que faz prever uns próximos tempos muito pouco promissores.
Não sei bem o que pensar, mas isto está com mau ar! Não me sinto nada animada!
É esperar por melhores dias! 

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Para mais tarde recordar #11

As duas no carro, eu a conduzir, ela na sua cadeirinha atrás.
S.- Mamã, um avião.
Eu (não o vendo) - Onde, bebé?
S. - Ali.
Eu - No céu? Está a voar? Os aviões voam muito, não é? (pergunta idiota, eu sei, mas...)
S. - Não, os aviões não voam. Quem voa são os pássaros!

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Voltei

Terminaram as férias.
O que fizemos:

  • Fomos a um Concerto para bebés (crianças) na Casa da Música 
  • Visitamos a Zoo da Maia 
  • Andamos no Teleférico de Guimarães (a S. adorou!)
  • Fomos a um Batizado
  • Passamos uma noite em Lisboa, só os dois 
  • Fizemos a marginal de Lisboa até à Ericeira (paisagens incríveis)
  • Passeamos os dois pelo Buddha Eden Garden
  • Arrumamos mais umas coisas em casa

Não foram umas férias de sonho. Não deram para tudo aquilo que gostaria. Mas deu para arejar a cabeça do trabalho. Deu para estar um pouco mais com a minha pequenina.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Férias e criar memórias

Aproximam-se mais duas semanas de férias (que é como quem diz, estou quase a fechar o tasco e só volto ao trabalho no dia 10 de Outubro).

Ainda não há planos. 
Temos em mente ir os dois passar 2 noites algures, sem a filhota (coração, será que aguentas?), mas ainda não decidimos onde ir nem em que dias.
Em mente tenho também levar a S. a um zoo, passear pelo Porto, andar de teleférico... enfim... fazer algumas ou todas aquelas coisas que falei aqui.

A ideia é, essencialmente, arrumar mais umas coisas em casa, descansar corpo e mente, passear, brincar, namorar, ler.

Aproveitarmos os dois para estar juntos e namorarmos mais.
Aproveitarmos o tempo com a S. para novas andanças, novos sítios, novas experiências.
Já neste domingo, temos concerto / workshop na Casa da Música. Espero que ela goste.

Era uma vez


segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Para mais tarde recordar #10

   S. - Mamã, quero ver um cadinho de Mick (que é como quem diz: quero pegar no teu telemóvel e ir para o Youtube ver desenhos animados)
   Eu - Está bem, deixa a mamã só fazer uma coisa.

Pego no telemóvel, ligo o wifi e ponho-me a empalear um bocado, mexendo no ecrã sem fazer nada.
S., achando que eu estava a demorar muito:
    - Oh, mamã... não sejas assim!

Fim de semana

Sexta-feira
Fomos à Feira do Livro e passear pelos Jardins do Palácio de Cristal (está riscada uma das experiências da lista)
Vimos os patos e os pavões, apreciámos as vistas sobre o Rio Douro, comprámos uns livritos (Mãe, quero mais!, já cá cantas), assistimos à história cantada pelo Som do Algodão no stand da livraria Salta Folhinhas,...
Um fim de tarde muito bem passado! :)


Sábado
Não tivemos aula de Babyoga, por indisponibilidade da professora.
Fomos almoçar com os avós maternos e depois fomos à loja de fábrica da Girândola. A S. parecia ter sido injetada com adrenalina. Não parava quieta, circulava por entre os cabides a gritar "vô, 'condete-te?" e "mamã, onde tás?" e "preciso de uma roupinha", mexendo em tudo. Adorou ir às compras.
Depois fomos lanchar e ao novo parque infantil da terra. Ela gostou imenso do túnel e do escorrega.


Domingo
Foi dia de longo passeio pelo empreendimento onde vivemos, ida ao parque infantil e tarde em casa dos avós paternos e brincar com os primos (que com os seus 12 e 7 anos, vão tendo muita paciência para ela).

Foi um fim de semana bem passado, apesar de estarmos sem o papá (que teve uma formação do CNE em Montemor-o-Novo).
A S. andou bem disposta, alegre, a saborear as novas experiências, os novos locais. A criar novas memórias! :)


quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Confirma-se

Odeio ir ao dentista!
Suspeito que, a não ser que algo aconteça, devo passar mais uns anos sem lá voltar a pôr os pés!

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Para mais tarde recordar #9

A S. sentada no sofá com o pai, a folhear um catálogo da La Redoute.
   S. (apontando para um dos modelos) - Papá, quem é ête?
   Pai - É o Sr. La Redoute. (quando não se tem imaginação para mais, saem estas respostas)
   S. - E éta, papá, quem é?
   Pai - É a Sra. La Redoute.
   S. - Ah... O Sr. Reduto e a Sra. Reduta.
(captaram o pormenor da diferenciação do género?)

Pequenas Miniaturas para Grandes Brincadeiras

Ninguém me paga pela publicidade (antes pagasse) mas, à custa desta campanha super gira, acho que nos próximos tempos vou fazer as minhas compras no LIDL.
A S. vai adorar! :)

Hoje é dia...

...de dentista!

Não sei bem há quanto tempo não vou a um. Há mais de 6 anos, de certeza... Talvez uns 7 ou 8.
Está mal, eu sei, mas, aliado ao facto de não gostar nada de ir ao dentista, tenho a sorte de ter boa genética dental (isto existe?) e por isso, vou facilitando e deixando passar o tempo.

Mas o marido, que anda a fazer uns tratamentos dentários, farto de me ouvir dizer "ah, também tenho de pensar em marcar uma consulta", da última vez que lá foi, tratou disso. Chegou a casa e disse: "No dia 14/09 temos consulta. Marquei para mim e marquei para ti!"
E pronto, lá se acabaram as desculpas...

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Para mais tarde recordar #8

Deitadas as duas (eu e a S.) na cama, para ver se ela adormece.
S. - Mamã, faz festinhas à S.
Ponho a mão na barriguita dela, por cima do pijama.
S. - Na roupa não, mamã. Na barriga da S., mamã!

Para mais tarde recordar #7

A caminho do Pingo Doce, com a ama.
S.- Onde vamos, Laurinda?
L.- Vamos tomar um café.
S. - Eu não tomo café, Laurinda!

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Criar Memórias #1

Afinal não fomos à Feira Medieval. Nem propus, atendendo ao desenrolar do fim de semana.

No sábado, ainda saímos para ir à Feira do Livro, mas fomos nós e meio Porto e arredores, e por isso, desistimos. Trânsito entupido, parques de estacionamento cheios... enfim... fatores demovedores...
Acabamos por ir lanchar com uns amigos e pronto.

No domingo, foi dia de Zurra.


Ela gostou imenso de ver os burros e lhe fazer festinhas (embora "tem môcas, papá! Tira as môcas, papá!"), mas também de ver e tocar os cães e gatos da Associação Auaua que lá estavam para adotar, de ver as galinhas e o ganso, de ver o palhaço a fazer grandes bolhas de sabão...


Foi uma parte da tarde muito bem passada, da qual ela manterá memórias e isso é o que mais importa! :)

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Criar memórias - mais ideias

Este fim de semana decorre a Feira Medieval em Leça do Balio, este ano com o tema "Os Hospitalários no Caminho de Santiago". Nunca lá fui mas tenho boas referências. Se conseguir convencer o marido, esta edição pode ser a nossa primeira.
A S. certamente gostará de se passear por lá, ver o espetáculo dos Saltimbancos e outros itinerantes que por lá sempre há.

imagem

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Hoje era dia de não estar aqui*

Hoje estou sem vontade nenhuma, mas nenhuma, de trabalhar. Sinto a cabeça pesada, corpo cansado e um apelo fortíssimo para ir embora...
Estou a "um bocadinho assim" de pegar nas minhas coisas e tirar meio dia de férias!...

Resultado de imagem para cansada

*leia-se, no trabalho!!

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Criar memórias (editado)

O Verão está praticamente passado e com ele a melhor altura para sair com a S. e levá-la a conhecer coisas novas, ter novas e diferentes experiências. De criar memórias!
Um desperdício de bom tempo, mas com isto e com aquilo, acabamos por não fazer nada de muito diferente e relevante com ela neste período.
A registar:

  • Praia - apenas uma ida fora dos dias de férias (e mesmo nesses, fomos apenas 2 vezes com ela);
  • Piscina - adorou ir à piscina no empreendimento onde estivemos no Algarve, e adora ter a sua pequenina no nosso terraço, onde tem feito os seus chap-chap nos dias mais quentes;
  • Piquenique no Parque da Cidade - no ano passado já tinhamos feito um mas ela era ainda muito pequenita. Tivemos desta vez azar com o tempo (estava demasiado fresco) mas ainda devemos ter oportunidade de fazer mais um ou outro!
  • Sealife - achou imensa piada a ver os peixinhos mas claramente ainda muito pequenina para dar verdadeiramente valor ao local.
  • Casamento - foi pela primeira vez a um casamento. Não se calava dentro da igreja, pelo que tivemos de vir com ela para fora, mas fora isso portou-se muito bem e pareceu divertir-se por estar num sítio diferente e com bastante gente.
  • Feira de São Mateus (Viseu) - fomos numa altura calma, sem estar muita gente. Andou por lá toda contente.
  • (já me ia esquecendo desta) Andar de comboio - foi de comboio ao Porto com a ama e a avó paterna. Consta que gostou da viagem e andou por lá toda contente! :)

Mas o bom tempo (sem aquele calorão que fez estes últimos dois meses) parece ainda querer ficar mais uns tempos e ainda poderemos aproveitar para novas aventuras.

O que tenho em mente:

  • Conhecer / visitar uma quinta de produção biológica de plantas aromáticas: Cantinho das Aromáticas ou Quinta da Manguela - não perceberá nada, mas vaguear pelo meio do campo, ver as plantas, sentir os aromas... 
Quinta da Manguela     
Resultado de imagem para zoo da maia Resultado de imagem para zoo santo inácio   Resultado de imagem para parque biológico de gaia
  • Andar no Teleférico de Gaia - acho que ela vai delirar andar nas alturas, e aproveitamos também nós para experimentar e para dar uma voltinha na zona histórica e ver as vistas do Porto e de Gaia.
Resultado de imagem para teleférico de gaia
 Resultado de imagem para jardins palacio de cristal

Se conseguir, ainda este ano, fazer isto tudo, já fico bem feliz! 

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Awkward moments

Aquele momento em que estás num casamento, vem uma miúda dos seus 10 anos (que não conheces de lado nenhum) e te diz que és parecida com a Júlia (Sandra Celas) do "Inspector Max"!


Nota para quem não me conhece pessoalmente: Nada a ver!!!!

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Das experiências culinárias desta semana

Quem me conhece, sabe que a cozinha não é uma paixão minha. Nem de longe, nem de perto.
Cozinho porque tem de ser. Não odeio fazê-lo mas também não me dá prazer nenhum.

Assim, é de admirar vir para aqui falar de experiências culinárias, mas esta semana, não sei exatamente porquê, deu-me para fazer coisas diferentes.
Nenhuma delas ficou perfeita, mas serviram para sair dos sabores que habitualmente apresento à mesa!

3ª feira - Folhado de legumes com salmão e camarão 
Receita da minha cabeça

4ª feira - Peitos de frango caprese 
Receita retirada daqui

5ª feira - Tarte de leite condensado e farinha de alfarroba
Receita retirada daqui

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Sabes que estás a ficar como a ovelha* quando...#2

...combinas almoçar com o marido num shoping, mas vais para outro e ficas à espera que ele apareça!

* completamente Choné! :)

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Facto Surpreendente

A S. assusta-se com tudo o que é barulho. Começa a chorar quando um cão ladra (estando relativamente próximo dela), não gosta do ruído da varinha mágica, fugia do aspirador...

Este fim de semana fomos a uma festa popular na terrinha. Ficamos a ver sair a procissão.
Começaram a lançar foguetes. E ela ficou simplesmente muito atenta a olhar para os fuminhos no ar!
A S. não tem medo de foguetes. Fantástico! :)

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Loja do demo...

   
Estas e mais três... baratinhas e giras!

Presente de aniversário

Ainda não tínhamos comprado nenhum presente de aniversário para a S.
Decidimos esperar que passasse o dia, a festa, para ver o que ela recebia para não se andar a comprar nada repetido.

Mas o tempo foi passando e nós... Nada!

Até que fui espreitar os saldos da Imaginarium. Com 50% de desconto, não se podia desperdiçar! :)
Compramos isto:


Ela adorou! Sempre que ia a casa dos avós dizia "o correga tá estragado", porque os meus sogros têm lá um já do tempo do meu sobrinho mais velho (que tem 12 anos).
Ainda tem um bocado de medo e não explorou todas as possibilidades do equipamento, mas a seu tempo, fá-lo-á! :)

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Feito!

Ontem e hoje foram os dias.
Ontem fiz a massagem. Hoje o SPA de rosto!
Soube tão bem!!

Recomendo o sítio - Inês Malheiros, em Matosinhos.
Atendimento super simpático e profissional. A repetir! :)

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

O tempo voa

O tempo passa quase sem darmos por ela. Ainda no outro dia comentava com o marido que, quando nos apercebêssemos, a S. já nos estava a pedir para sair à noite.

Há 25 meses atrás, era um nico de gente enfiada numa incubadora. Pesava na ronda dos 700g, media pouco mais de 30cm, tinha mil e um fios colados ao corpo, tubos para respirar, cateteres enfiados...

Agora:
  • Pesa mais de 10kg (pouco, mas anda à volta disso). É miudinha para a idade, mas o pediatra acha que ela está ótima, e nós também.
  • Mede um pouco mais de 80cm. Novamente: miudinha mas linda! :)
  • Tem 12 dentitos. Custaram a aparecer, vieram por ordem pouco usual, mas aí estão! 
  • Já começa a ter a mania que corre e gosta de andar depressa atrás ou a fugir das pessoas ("a mamã vem atás de nós") mas continua bastante cautelosa. Não é exploradora embora seja curiosa. Pergunta, pede para mostrar, mas em geral não mexe nas coisas à toa.
  • É brincalhona, dá respostas erradas de propósito e sorri, com um olhar malandro.
  • Fala imenso. Imenso. Tem um vocabulário e uma dicção acima da média para a idade. Memoriza tudo o que se lhe diz e replica passados dias, sem estarmos minimamente a contar, mas perfeitamente enquadrado. Conjuga bastante bem os verbos. Já fala muita coisa na primeira pessoa, já nos trata muitas vezes por "tu" (e não papá e mamã).
  • Já faz birras. Ainda não daquelas terríveis, mas lá hão-de chegar. E tem a mania que já escolhe a roupa, que não quer esta camisola ou aquele vestido, e que tem de calçar os sapatinhos e não as sapatilhas! 
  • Já não encaixa no meu peito, como nas primeiras vezes que lhe peguei. As pernas já ficam dependuradas, já é pesada para se andar com ela muito tempo de um lado para o outro.
  • É carinhosa, meiga, linda e esperta (e não sou só eu que digo, não vá acharem que estou a ser tendenciosa)!
Houve alturas, quando ela estava internada, que parecia que nunca faria uma vida normal com ela. Mas agora, o tempo voa e sei que vou ter muitas saudades desta fase tão linda da vida dela (e da minha)!

Para mais tarde recordar #6

9 e meia da noite. Deitadas as duas na cama, a ver se ela adormecia.
A S. levanta-se, dirige-se à cabeceira da cama e diz:
- Vou compar comidinha!
Eu - Ai sim? Estás com fome, bebé?
S. - Não. Tomei pequeno almoço!

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Para mais tarde recordar #5

Puzzle em madeira com desenho em papel colado.
Um bocado de uma das peças está levantado e a S. decidiu arrancá-lo.

 - "Rasgaste o cãozinho. Agora não temos cão" - digo eu
A S. olha para a peça muito atenta:
 - "Oh... o cãozinho escondeu-se. Não se vê o cãozinho!"

Para mais tarde recordar #4

A S., sem mais nada, virada para a ama:
- Laurinda, a Patrícia Mamona que faz?

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Do Sono

Duas noites um pouco mais calmas. Continua a demorar a adormecer, mas o processo foi mais pacífico, sem choros, sem contorções! 
Ainda não sei bem como fazer a transição para que ela tenha um adormecer mais independente, mais autónomo, sem precisar da minha presença.
Vou lendo sobre o assunto, mas não me sinto confortável em deixá-la a chorar (ainda que seja por momentos muito curtos) e não encontro nenhum "método" em que tal não aconteça...
Sei que devia ter feito este "trabalho" bem mais cedo, quanto mais velha mais complicado será mas nunca ganhei a coragem para o fazer. 
E como ela, apesar de necessitar de ter alguém com ela para adormecer, depois dorme quase sempre a noite completa, vou deixando passar o tempo. 
Apesar de tudo, ela dorme bem. Só não tem bom adormecer!...

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

...

Há 4 anos, fomos aos Açores. Estivemos instalados no Faial, mas fomos 3 dias a S. Jorge, que recomendo vivamente (adorei a ilha).
A viagem de regresso ao Faial, de barco, foi a pior que alguma vez fiz. O mar estava muito agitado, o barco baloiçava para todos os lados.
Sabendo que enjoo, tinha tomado um comprimido e forrado o estômago, e sentei-me ao ar livre, no centro do barco, olhando sempre em frente.
Mesmo assim, obviamente enjoei, mais do que alguma vez havia enjoado, mas mais que isso, tive aquilo que penso ter sido um ataque, uma crise de pânico, de ansiedade...
As minhas mãos começaram a fechar-se e não conseguia abri-las. Parecia ter perdido controlo sobre elas, só conseguia dizer "não consigo abrir as mãos" e as lágrimas rolavam-me pela cara. Sentia-me completamente perdida. Nunca tinha sentido nada assim.
Saí na escala que era feita no Pico e só consegui voltar a entrar num barco na manhã seguinte (tivemos de passar a noite num hotel na Madalena).

Ontem, ao tentar adormecer a S. tive uma sensação muito semelhante.
Ela tem estado inquieta no adormecer. Chora, contorce-se toda, resmunga... num momento parece que acalma, para logo de seguida começar a gritar "não! não!" e voltar a chorar e contorcer-se.
Estava já com ela há mais de 1 hora... e comecei a sentir-me perder o controlo do meu corpo. Um torpor, uma sensação de descontrolo e desconforto físico... as lágrimas a subirem, a quererem aparecer...
Valeu-me que ela pediu para ir para outro quarto ("o quarto do vu e da vó"), deitamo-nos lá na cama, o pai apareceu e deitou-se a nosso lado e ela acalmou e adormeceu.
As lágrimas ainda rolaram...

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Mesmo a precisar

Comprei um voucher para Massagem & Spa de Rosto que inclui:
  • Spa de rosto composto por: Limpeza; Máscara; Hidratação; Massagem.
  • Massagem de Relaxamento Localizada: Costas e membros inferiores


Ainda não marquei mas vou tentar que seja o mais breve possível. Estou mesmo a precisar!

Dos últimos dias

  • Arrumamos mais umas coisitas do salão e já montamos o sofá. Está a caminhar para onde queremos mas ainda temos muito que arrumar!
  • Fizemos um piquenique no Parque da Cidade com os amigos R. e M. Estava um pouco fresquito, mas deu para sair de casa, ver os patos no lago... arejar...
  • Fomos ao Sealife ver "os peixinhos". A S. adorou, andava de um lado para o outro toda contente, encostava-se aos aquários a espreitar... enfim... valeu a pena! Eu adorei rever o Nemo e a Dory! :)
Finding Dory
  • A dieta anda meio a andar, meio esquecida, dependendo dos dias. O que quer dizer que os resultados estão longe do que seria de desejar. Tenho de assentar esta minha cabeça... o problema está claramente na motivação que não está aos níveis que precisava de estar.
  • Adormecer a S. tem sido uma tarefa muito complicada. Fico esgotada mental e fisicamente. Tenho de dar uma volta a isto... 

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

What goes around, comes around!

Há uns tempos atrás, o filho dos padrinhos da S. foi picado por uma vespa quando nos preparávamos para fazer um lanchinho no nosso terraço.
O miúdo chorou que se fartou, e assim de repente, aquela reação pareceu-me um exagero! Não disse nada, mas pronto, pareceu-me exagerado!

Ontem, um daqueles bichos fez de mim alvo e toca de me picar no braço.
E aí percebi! Porra, aquilo dói a sério!!


segunda-feira, 8 de agosto de 2016

O último impulso consumista

Apaixonei-me pelo vestido, acabei por comprar o outfit completo!
Vai ficar tão fofa! :)

Da Girandola (que tem peças lindas de morrer e que são feitas em Portugal)!

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Para mais tarde recordar #3

A S. pega numa boneca de trapos.
- Oh boneca, tu tás "tiste"? "Vamo" buscar um bonequinho para a boneca. A boneca tá "tiste!"


S. - Mamã, canta a canção do Mick
Eu - A mamã não sabe, bebé. É só lá lá lá...
S. - (cantando com a melodia da canção "Era uma vez um cavalo que vivia num lindo carrocel")
       "Era uma vez um Mick,
        que queria fazer uma salada..." (é de um episódio)


A cachopa já inventa letras para as músicas...!!!

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Crónicas de uma dona de casa (quase) desesperada #8

Ontem conseguimos arranjar ajuda para retirar o tampo da "antiga" mesa da sala de jantar para a garagem. Aquela coisa pesa que se farta!

Hoje, comprei este lindo sofá-cama na IKEA, para o nosso salão:


Vai lá ficar um espanto! E ficamos com margem para receber mais gente em nossa casa (não que seja exatamente habitual fazê-lo mas...)

À noite, teremos de nos dedicar a arrumar mais umas coisas, para ganhar espaço para ele! :)

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Crónicas de uma dona de casa (quase) desesperada #7

Não, o salão não ficou operacional este fim de semana. Mas isso não quer dizer que não se tenha trabalhado, e até bastante, na casa nestes dias.

O que conseguimos fazer:
  • Colocar o blackout no quarto da S. (a solução que tínhamos não bloqueava luz quase nenhuma)
  • Desmontar a mesa da sala de jantar (não imaginam o trabalhão que isto deu...) e colocar a mesa e cadeiras "novas"(estamos a trocar a mobília)
  • Arrumar as roupas que estavam no suporte para cabides no salão, e desmontar o suporte (só isto deu um ar mais "destralhado" ao espaço)
  • Desmontar uma das secretárias do salão, e encaminhar para casa dos meus sogros, junto com uma cadeira de escritório (também aqui ganhamos bastante amplitude)
  • Retirar a cama suplente (daquelas dobráveis) do armário (encaminhada para a garagem dos meus sogros) e arrumar naquele espaço malas de viagem e outros afins (que andavam sempre espalhados pelo chão do salão
  • Separar carteiras / bolsas a que não dava uso (libertei metade de uma prateleira no armário do salão)
  • Encaminhar para o ecocentro uma mala do carro cheia de tralha (sapatos velhos, papéis e mais papéis, eletrónicas avariadas,...)
  • Deixar na farmácia um saco cheio de medicamentos fora de prazo, e 4 sacos de sapatos e roupa no contentor da Ultriplo (na esperança que sejam devidamente encaminhados para quem mais necessita)
  • Separar e encaminhar para casa dos meus pais dois sacos com coisas para o bebé da prima A.
  • Devolver o parque de bebé e um saco de roupas à vizinha V.
Ainda há muito para filtrar e destralhar (especialmente papeladas) mas já se vai conseguindo circular no salão e já temos nas nossas cabeças o que queremos fazer com aquele espaço.

Já faltou mais! :)

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Crónicas de uma dona de casa (quase) desesperada #6

O fim do mês está aí mesmo à porta e parece-me cada vez mais distante conseguir que o salão fique operacional até lá.

A verdade é que ainda não tirei praticamente nada de lá. Limitei-me a encaminhar o saco das roupas da S. para a Casa do Caminho. Nada mais.
Ficou um espaçozito mais livre, de facto, mas é como se nada tivesse feito.

Nos últimos dias, tenho-me limitado a manter a arrumação implementada e já não é muito mau. Os aparadores da sala de jantar têm-se mantido mais ou menos livres de papelada e tralhas.
Ontem dediquei-me a trocar os puxadores do novo (que só é novo lá em casa, visto que o compramos usado). Achava-os pouco funcionais, por isso arranjei outros e ontem coloquei-os no sítio. Ficou logo com um ar diferente. 

A lista das coisas ainda a fazer (arrumar / destralhar) lá em casa é enorme e será impossível que fique terminado antes do mês terminar, mas queria mesmo que o salão ficasse minimamente operacional. Para isso, terei de fazer um esforço à séria e envolver o maridão.
A ver vamos...

terça-feira, 26 de julho de 2016

Para mais tarde recordar #2 - momentos "gasosos"

1.
A S. sentada na cadeira da papa, começa a largar uns gases bem sonoros.
Sai o último, fica a olhar para mim e diz:
"O pu foi embora!"

2.
A S. larga um gás (audível).
Olha para mim e diz: "O que mamã está a ouvir?"

(tenho de começar a anotar mais destas coisas...)

domingo, 24 de julho de 2016

Aniversário da S.

A S. fez dois anos no dia 14 (já 2 anos?!?!)
Nesse dia, estivemos logo pela manhã com os avós maternos (que passaram a noite em nossa casa) e seguimos depois para a Neo no HSJ.
Já no ano passado tinhamos ideia de lá ir mesmo no dia do aniversário, mas acabamos por ir apenas uns dias depois. Desta vez, não falhamos. Fizemos questão de lá ir visitar os/as profissionais que ajudaram a que a S. seja hoje uma criança saudável e reguila.
Fomos muito bem recebidos, cantaram-lhe lá os Parabéns, todos com quem estivemos ficaram encantados com ela, com o seu crescimento e a sua conversa. E foi bom ver que pais que tenham o percalço, como nós tivemos, de ter um filho a nascer cedo demais, têm agora melhores condições para si e para os seus pequeninos.
De seguida, fomos almoçar a casa dos avós paternos, para ao fim da tarde seguirmos para casa dos padrinhos da S. e lá estarmos um pouco com eles e jantarmos.
Deu para matarmos um pouco as saudades.
Foi um dia simples, mas bom, passado com alguns daqueles de quem mais gostamos.

No dia 16, fizemos uma festita em casa dos meus sogros.
Andei a magicar decorações e coisas afins, mas as tarefas dos dias anteriores, não deram para muito.
Além disso, o dia de calor que se fez sentir, alterou um pouco os planos, e acabamos por colocar as mesas no pátio, em vez de as termos na garagem e por isso, também não havia sítio para grandes decorações.
Enchemos uns balões e ficou feito.
Importante é que ela se divertiu, toda a gente esteve bem (acho eu) e deu para conviver e conversar um pouco... E Celebrar a vida da minha pequenina, que custou a vingar mas que tem sido saudável e feliz! :)

 A S. a passear no atrelado do trator a pedais! Adora andar ali, haja quem consiga sentar-se ao volante! :)

 O bolo. Feito pela Essência do Açucar, que recomendo vivamente.
Absolutamente delicioso, de chocolate servido com um molho de morangos triturados.

A S. gosta imenso de animais, daí o tema do bolo e dos cupcakes. 
Também deliciosos, de cenoura com recheio de chocolate.



sexta-feira, 22 de julho de 2016

Crónicas de uma dona de casa (quase) desesperada #5

Anteontem tirei mais um (bom) bocado para as minhas arrumações na cozinha:

 Móvel IKEA: Antes - Depois
Não se nota muito mas:
* Fiz uma limpeza aos chás / infusões (imensa coisa fora de prazo há já demasiado tempo) - guardei apenas alguns saquinhos que servirão como potpourri
* Passei as garrafas de água das pedras para dentro do armário junto ao congelador (fica menos acessível à S. que tem a mania de querer pegar nas garrafas)
* Organizei as "gavetas": retirei de uma tudo o que era biberões e tetinas e sei lá que coisas mais para bebé a que já não dou uso (segue tudo para entregar em alguma instituição); centralizei papel de cozinha e guardanapos de papel noutra; coloquei os sacos plásticos noutra (a S. tem muita mania de querer abrir e fechar estas "gavetas" por isso quanto mais leves forem as coisas que lá estão dentro, melhor).
Fiquei com uma "gaveta" praticamente vazia, mais um dos cubos.

Móvel "Tupperwares": Antes - Depois
Acho que este é sempre o mais difícil de manter (eu penso num determinado critério de arrumação mas quem vem a seguir a mim, tende a seguir outro qualquer).
Ainda aqui ficou muita coisa que acho que não preciso para nada (acima de tudo, acho que tenho caixinhas a mais) mas já retirei algumas que não me interessam, filtrei tudo o que tem ou não tampa, e organizei. Acho que ficou com mais bom ar.


Para além disto, organizei as gavetas  (não tirei foto de antes e depois) e dei um jeito nos balcões.

Ainda não está bem como quero, mas ficou bem melhor e mais operacional.
E isso já é um passo de gigante! :)

Rearranque

Hoje estou com 69,4kg.
Depois de ter conseguido baixar para perto dos 67kg, descuidei-me e voltei à base.

Hoje tenho consulta com a nutricionista. Já a adiei 2 vezes. Tenho vontade de a adiar novamente mas não o vou fazer.
Vou enfrentar o problema e tentar com ela encontrar algumas soluções.

Tenho um casamento no próximo dia 4 de Setembro. Não quero ter de comprar roupa por isso tenho mesmo de emagrecer até lá para poder usar o que anda guardado no meu armário.
Faltam 6 semanas. Vou ter de me esforçar mas vou conseguir!
A sério que vou!

Vou já buscar chá para começar a beber como uma louca (sempre ajuda a drenar e enganar o estômago)!
Um, dois, três... Partida!

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Post telegráfico e mal disposto

Pesei-me hoje de manhã. STOP
Não gostei. STOP
Está na hora de retomar os bons hábitos. STOP

terça-feira, 19 de julho de 2016

Crónicas de uma dona de casa (quase) desesperada #4

Esta noite lá me dediquei a arrumar mais coisas.

Comecei pelo WC do nosso quarto:

Balcão: Antes - Depois

Dentro do armário: Antes - Depois

E depois segui para a cozinha:

 Debaixo da banca: Antes - Depois 
Não ficou super arrumado, mas retirei os produtos químicos, que era o que mais me interessava.

Por cima e ao lado do exaustor: Antes - Depois
Passei os produtos químicos para aqui, reorganizei as especiarias,...


Armário por cima do microondas: Antes - Depois
Ficou com ar mais clean, não ficou?

 
Armário por baixo do microondas: Antes - Depois
Estava uma barafunda, mas agora está bem melhor!

Armário junto ao congelador: Antes - Depois
Passei as travessas e saladeiras para o aparador da sala, e este espaço já pode ser aproveitado como dispensa. A prateleira de cima não ficou super organizada, mas está operacional.

A cozinha ficou um pouco a meio. Falta atacar a parte das tupperwares (e similares) e as gavetas e os balcões e o armário ikea que tenho por baixo de um dos balcões.
Mas já estava cansada. Amanhã termino! :)