segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Primeira noite longe dela

Este fim de semana passei a minha primeira noite longe da minha pequenina desde que ela teve alta pós nascimento (há mais de 15 meses...).
Decidimos ir passar uma noite fora (de sábado para domingo, apenas), para relaxarmos um pouco, descontrairmos, dormirmos sem estar alerta.
A S. ficou em casa (na nossa) com os avós maternos e nós lá fomos.

Passeamos um pouco, descansamos bastante, dormimos até mais tarde.
Custou-me menos do que pensava... mas soube tão bem tê-la nos meus braços quando regressamos! :)

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Facto de Hoje

Cancelei a minha inscrição no ginásio! Pronto, está feito!

De volta

Por motivos variados, que misturam muito trabalho com falta do que dizer, estive desaparecida uns dias!
Mas agora estou de volta!
Continuo sem ter grande coisa para dizer, mas pelo menos tenho mais tempo livre! :)

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Pinhenienhe e outras palavras

"Pinhenhinhe" é a versão de Pinheirinho da minha filha. Para 19 meses, parece-me bem! :)

Assim como "tonó" (trenó), "nhenha" (rena), "Lala" (Lara), "Nuno" (esta sai muito direitinha)...
A fala está cada vez mais desenvolvida, e não me admiraria nada que um dia muito em breve lhe saísse uma frase completa! :)

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Infantário? Não tenho pressa!

Até à S. nascer, era nossa opção colocá-la no berçário no final da licença de parentalidade. Não fazia sentido, no meu ponto de vista, ocupar os avós e nem me passava pela cabeça contratar alguém para ficar com ela em casa.
A solução normal era, pois, deixá-la no berçário.

Nos primeiros tempos após ela nascer, super prematura de 25 semanas, esse era assunto que não me ocupava a mente. Estava tão concentrada em acompanhá-la, tão preocupada com o seu estado de saúde, que me parecia que ela nunca sairia daquele hospital.

Mas quando começou a avizinhar-se o dia da alta, os médicos começaram a fazer-me os alertas... Nem pensar em colocá-la num berçário / creche / infantário, nos primeiros 2 ou 3 anos de vida. Primeiro ano então, completamente fora de questão. Caso adoecesse, era praticamente certo que teria de ser internada, visto que a sua resistência era mais baixa que a de outros bebés e que os seus pulmõezitos eram ainda muito vulneráveis.

Começamos então na procura de solução. Acho que nunca consideramos ter os avós a tempo inteiro, mas chegou a ser opção termos uma senhora (que era já ama do filho de um nosso vizinho) de manhã, e os avós (maternos e paternos, de forma alternada) ficavam com ela de tarde.

Mas uma força superior colocou outra pessoa no nosso caminho.
Uma prima do maridão acabava de ficar com muito tempo disponível e sabíamos ser alguém que adora crianças.
Desafiamo-la a ser ama da S. Ela aceitou.
Desde há quase 1 ano que é ela que fica com a minha pequenina diariamente, em nossa casa. E dão-se super bem. A S. gosta imenso dela e divertem-se juntas.
Sei que temos a solução perfeita (para nós, pelo menos)!

Hoje em dia, quando converso com as minhas colegas de trabalho e as ouço queixarem-se das doenças que os filhos apanharam no berçário/creche/infantário, sinto um imenso alívio por não ter ido por esse caminho, e sinto-me grata por ter encontrado alguém em quem confio plenamente para tomar conta da minha cria!
Acho, cada vez mais, que berçário /creche deve ser solução de recurso. Só mesmo se não houver outras!
E sei que não estou preparada para a deixar noutro sítio, com outras pessoas. Não estou preparada para as doenças (que ela felizmente não tem tido)!
Um dia terá de ser, bem sei, mas espero que esse dia esteja ainda algo distante...

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Certezas da (minha) vida #2

Se procrastinar fosse um desporto, há muito que estaria na lista para os Olímpicos!




sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Não me parece nada bem

Anda uma pessoa a trabalhar com este tempo bom, solzinho e temperaturas amenas (a meio do dia, que à noite e de manhãzinha faz bem frio), e começa a fazer planos mentais para, no sábado, ir dar um passeio com a pequena até ao berço da nação...
Vai-se a ver e as previsões meteorológicas são estas:


Olhem para aquela tarde! Parece-vos bem?! É que a mim não! Nada mesmo!!

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Acerca do ginásio...

Suspeitas que está na hora de desistir quando a tua maior motivação para lá ir é já ter pago a mensalidade...
É mais ou menos isto, portanto:

(imagem retirada daqui)

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Está a ficar tão crescida #10

Está cada vez mais firme no andar. Ainda não tem muita confiança para fazer grandes percursos sozinha, mas já toma a iniciativa de ir pelo próprio pé do sofá até aos brinquedos! :)

Apareceu o 3º dentito!

Cada vez diz mais coisas. Na verdade, tenta repetir praticamente tudo o que dizemos.
"Garra" (agarra), "panha" (apanha), "tata" (batata), "golo", "quem é", "totó" (porco), "guigui" (xixi), "meia", "zu" (azul) "rô" (arroz)... são algumas das aquisições mais recentes, que usa com facilidade e que aplica corretamente.

Certezas da (minha) vida

Por mais cedo que me deite, por mais horas que durma, de manhã tenho sempre sono e ficava mais um bom par de horas na cama!!

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Sabes que és mãe quando...

...dás por ti a cantarolar mentalmente as músicas do BabyTV!