quinta-feira, 27 de outubro de 2016

70,3


Ontem pesei-me (já não o fazia há algum tempo) e esse foi o número que a balança me apresentou.
70,3kg. É muito. Mais 8,5kg que o meu mínimo pouco antes de engravidar.
Sou daquelas mulheres que ao fim de mais de 2 anos após o parto, ainda não perdeu o peso ganho na gravidez.
Pior: apesar das tentativas já aqui faladas, não me sinto verdadeiramente preparada e motivada para o perder.

Detesto não ter roupa em condições que me sirva.
Não gosto do número na balança.
Não gosto do que vejo no espelho.

Mas nada disto se consegue sobrepor à minha preguiça, ao meu estado emocional, ao meu cansaço...

Todos os dias penso em começar a alterar a minha alimentação, em deixar de comer isto ou aquilo, e substituir por esta ou aquela alternativa.
Mas logo de seguida, vou ao armário das bolachas, ou cravo um doce a alguém no trabalho.

Há um trabalho mental que preciso fazer (ou clique que precisa acontecer) para conseguir dar a volta a isto.
Até lá, tenho de dar-me por muito satisfeita por a balança não ter subido ainda mais.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Maria do Céu

Hoje a Maria do Céu faria 90 anos.

A Maria do Céu foi uma menina traquinas, muito inteligente a quem os pais não permitiram fazer mais que a 4ª classe, apesar da insistência da professora primária e apoio da família rica da terra.
A Maria do Céu era uma mulher tão despachada e trabalhadora, que os patrões acharam que uma máquina não conseguiria fazer o trabalho tão rápido como ela.
A Maria do Céu "só" casou aos 24 anos mas foi feliz mais de 60 anos com o seu Albino.
A Maria do Céu foi uma mulher dedicada ao seu marido e à sua família. Sem nunca contestar a autoridade do homem da casa, levou-o a permitir que os seus 6 filhos estudassem até quando o entendessem (numa época e zona do país onde o habitual era as crianças fazerem a 4ª classe e irem trabalhar).
A Maria do Céu era uma mulher paciente e educada mas de resposta sempre pronta.
A Maria do Céu adorava os seus netos e chamava-me, em pequenina, "o meu pintainho". Dizia que os netos eram todos bonitos mas que eu era especial! :)
A Maria do Céu partiu este ano para um descanso merecido na companhia de Deus e do seu Albino!

A Maria do Céu era a minha avó materna e foi das mulheres (pessoas) mais extraordinárias que conheci. Se um dia conseguir ser metade da mulher que ela foi, serei uma mulher feliz e realizada!

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Para mais tarde recordar #12

A S. acorda a meio da noite e começa a chamar por mim.
Chego ao quarto dela, e ela está de rabito para o ar, cara enfiada no colchão a tagarelar qualquer coisa.
Faço-lhe umas festinhas na cabeça.
    S. - Mamã, eu que estava a falar?
    Eu - Não sei, bebé. Que estavas a falar?
    S. - Num sei. Asneiras!

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Há males que vêm por bem

A minha placa (fogão) avariou. Já é a segunda vez este ano. Consideramos a hipótese de comprar uma nova, mas decidimos meter o orçamento da reparação ao seguro e pegou (por que é que não fizemos isto na vez anterior é algo que não consigo explicar). Não terá custos para nós, por isso, é melhor que estar agora a gastar dinheiro noutra.
Mas a peça que será necessária demora 2 a 3 semanas a vir. Ainda só passou uma desde que adjudicamos a reparação. E umas 3 desde a avaria. 
Havia que arranjar solução para as refeições!

Nos primeiros tempos, e como estávamos de férias, optamos por ir fazendo umas refeições fora, outras em casa dos meus sogros. Mas com o regresso à rotina do trabalho, não podíamos manter-nos nesse ritmo.

A solução alternativa era mais que óbvia: começar a dar uso ao robot de cozinha (ou como eu lhe chamo "a prima da Bimby") que há largos, largos meses estava parado em cima do balcão.
E começo a perceber a estupidez de ter a maquineta parada. Afinal, é simples de usar e facilita algumas coisas.
Não é nenhuma solução milagrosa, mas ajuda e já começo a desenrascar-me com ela e a conseguir fazer ajustes nas receitas e tudo.
E até já começo à procura de novos acessórios para a cozinha, tipo formas de bolos, só para experimentar algumas receitas! 


"Há males que vêm por bem", não é o que dizem? 
Esta avaria fez-me começar a aproveitar um investimento que estava parado, e isso faz com que não lamente nada que tenha acontecido! :)

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Melhores dias virão

Ora bem, deixa lá refletir sobre estes últimos dias:

  • A professora de Babyoga desapareceu do mapa. Telemóvel desligado, não apareceu à aula de sábado de manhã, não responde a sms (telemóvel desligado, lá está) nem a mensagens via facebook. Não tenho mais contactos nem referências por isso... é esperar. Não sei se lhe (ou a alguém próximo) aconteceu alguma coisa, se desistiu do projeto, não faço ideia... 
  • No sábado à tarde dei um tombo nas escadas com a S. ao colo. O instinto fez-me protegê-la e por isso ela está, felizmente, bem (não ganhou para o susto, mas pronto, com isso vivo bem) mas eu fiquei partidinha. No domingo ainda me sentia completamente moída e sem forças (acho que mais do impacto do susto e do medo que tive que ela se magoasse, do que verdadeiramente da queda, que me deixou umas negras valentes mas pouco mais).
  • Hoje comunicaram-me, no trabalho, alterações organizacionais que eu, honestamente, não esperava. Pelo menos, não com aquele conteúdo. Deixo de estar diretamente ligada à Administração e passo a reportar hierarquicamente a uma pessoa a quem não reconheço conhecimentos e interesse na área em que trabalho e com quem não tenho especial empatia, o que faz prever uns próximos tempos muito pouco promissores.
Não sei bem o que pensar, mas isto está com mau ar! Não me sinto nada animada!
É esperar por melhores dias! 

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Para mais tarde recordar #11

As duas no carro, eu a conduzir, ela na sua cadeirinha atrás.
S.- Mamã, um avião.
Eu (não o vendo) - Onde, bebé?
S. - Ali.
Eu - No céu? Está a voar? Os aviões voam muito, não é? (pergunta idiota, eu sei, mas...)
S. - Não, os aviões não voam. Quem voa são os pássaros!

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Voltei

Terminaram as férias.
O que fizemos:

  • Fomos a um Concerto para bebés (crianças) na Casa da Música 
  • Visitamos a Zoo da Maia 
  • Andamos no Teleférico de Guimarães (a S. adorou!)
  • Fomos a um Batizado
  • Passamos uma noite em Lisboa, só os dois 
  • Fizemos a marginal de Lisboa até à Ericeira (paisagens incríveis)
  • Passeamos os dois pelo Buddha Eden Garden
  • Arrumamos mais umas coisas em casa

Não foram umas férias de sonho. Não deram para tudo aquilo que gostaria. Mas deu para arejar a cabeça do trabalho. Deu para estar um pouco mais com a minha pequenina.