quarta-feira, 9 de novembro de 2016

The dark ages are coming

Há uns 7 anos, tive uma conversa com o meu marido em que lhe perguntava se seria infeliz se ficássemos só os dois, se não tivéssemos filhos.
Ter filhos nunca foi verdadeiramente um objetivo de vida e a minha visão do mundo dizia-me que pôr crianças no mundo era quase uma crueldade.
A crise já se tinha instalado, já havia países em que a extrema direita ganhava eleições, as perspectivas para o futuro não eram grande coisa.

Ele dizia-me que eu era uma pessimista, que isso não eram razões para não se ter filhos e não sei que mais.
Deixei-me convencer. Duas gravidezes e uma filha depois, não me arrependo nada de a ter, adoro-a, é a luz da minha vida.

Mas hoje, com estes resultados eleitorais dos EUA, pergunto-me se não teria ficado melhor quieta. Se este mundo em que estamos não causará tanto sofrimento à minha filha, que me faça pensar se não teria sido melhor opção que ela nem sequer tivesse nascido.



Temo muito pelo futuro. Temo por mim, mas acima de tudo, por ela.
Acho que vêm aí tempos muito negros.
Espero estar errada, mas temo estar certa! 

5 comentários:

angelasoeiro disse...

Obrigadinha pelo post sim?
Sempre pensei que isso do relógio biológico era treta... e chegada aos 30, não é!!
E logo eu, que sempre fui avessa à ideia da maternidade

Raquel Freitas disse...

Acho que um grande das mães e dos pais acordou hoje com uma angústia(zinha) agarrada ao seu coração, porque o nosso maior receio é que aconteça algo de mau aos nossos filhos e este Mundo não está a dar sinais de ir no bom caminho... esperemos que haja um encruzilhada e que ele vire na direção certa... A nós cabe-nos continuar a mostrar, aos nosso filhos e aos que nos rodeiam, que o caminho do amor, da solidariedade, da aceitação do outro, é o único que traz bons frutos...

O Biquíni Dourado disse...

Hoje ouvi alguém dizer "vai na volta ele ainda vai ser um grande presidente"... a ver vamos =\

Um beijinho dourado,
https://obiquinidourado.blogspot.pt/

Portuguesinha disse...

Se todos fossem dar ouvidos ao pessimismo, a humanidade nem tinha saído da fase do embrião.

Já reparaste quantas catástrofes e coisas terríveis existiram em tempos que não foram os nossos? Imaginas-te a viver durante a crise da peste negra? Durante a segunda ou primeira guerra mundial? Durante o Nazismo sendo, quem sabe, uma pessoa de religião perseguida? Ou viver nos dias de hoje, no congo, ou em outro lugar do planeta qualquer em que os direitos humanos são mais uma miragem do que outra coisa qualquer?

Não. Se fosse assim não existiamos. E são exatamente os que menos têm razões para sorrir, que as procuram nos filhos e os têm em maior quantidade.

м♥ disse...

Acho que, se pensarmos muito nisso, não fazemos nada e nunca temos filhos. Claro que o mundo é incerto, nunca se sabe o dia de amanhã, mas se toda a gente pensar assim, deixam de haver pessoas no mundo :) Eu sempre quis ter filhos. Por muito assustador que possa ser o mundo cá fora, sei que tudo se compõe. Vai sempre haver uma crise, incertezas no emprego, dias piores, doenças, mortes, tristezas... Não podemos só pensar no pior!