quinta-feira, 31 de março de 2016

Questão existencial (completamente sem interesse)



Uma pessoa coloca um anúncio no OLX.

Recebe mensagens de contacto, com perguntas ou propostas negociais.

Lê. Mas não responde.

Porquê? Why?

quarta-feira, 30 de março de 2016

:(

E agora, está doentita!
Nada de especial, até ver... Uma constipaçãozita, com direito a tosse e expectoração. Não teve ainda febre, o que é bom sinal.
Mas anda mais caidita, mais aborrecida... e sem poder contar com o consolo da chupeta.
E isto deixa-me ainda mais triste!!


terça-feira, 29 de março de 2016

"Outa pupa"


Descobri que sim, que ela consegue adormecer sem a chupeta. Consegue passar o dia sem ela.

Descobri à força, porque no sábado, numa distração, a perdi. Foi-se a chupeta preferida.
Preferida não! Única!
Não pega em mais nenhuma. Mete-as à boca para logo as mandar para o chão ou no-las dar de volta.

"Outa pupa" pede ela com voz triste. Sabe bem que não são aquelas, falta-lhes o sabor do uso, a maleabilidade...

Adormeceu por exaustão, na tarde de sábado, depois de muito chorar no meu colo. Tentei consolá-la, pedi-lhe desculpa vezes sem conta, chorei com ela, beijei-a, abracei-a.
Lá dormiu um sono reparador. Acordou, felizmente, muito bem disposta.

À noite já quase não chorou... foi choramingando, pediu a chupeta uma ou duas vezes, tentei dar-lhe uma das outras (que diga-se, a olho, são praticamente iguais), não as quis, acabou por adormecer.
Acordou diversas vezes durante a noite, não havia chupeta para a consolar, peguei nela ao colo, aninhou-se em mim e ficou. Via-se que precisava de aconchego, de carinho, de consolo.

Passou o domingo sem pedir a chupeta. A sesta dormiu-a em viagem entre a casa de uma e outra avó. Não se queixou. Acordou bem disposta.
Não pediu a chupeta uma única vez à noite quando foi dormir. Como se se tivesse mentalizado que não valia a pena, que aquela causa estava perdida.
Custou-lhe um pouco adormecer, virou-se e revirou-se no meu colo mas nada de especial, nada que não tivesse já acontecido mesmo com chupeta.

Ontem também não a pediu durante o dia. À noite, pediu-a perto da hora de ir para a cama. Disse-lhe que só havia aquelas duas. Experimentou-as ambas novamente. Entregou-mas, entristecida, pediu "outa pupa", abracei-a, disse-lhe que não havia mais nenhuma, que a mãe a tinha perdido, distraí-a com outra coisa qualquer.
Custou-lhe muito adormecer. mas talvez por ter dormido a sesta bastante tarde.
Choramingou um bocado, pediu a chupeta, não quis as outras, lá adormeceu.
Dormiu a noite toda. Sem choros. Saí hoje de casa ainda ela não tinha acordado.

Não sei bem o que fazer... Sinto-a triste! Ela adorava a chupeta. Usava-a com prazer, com gosto. Os olhos brilhavam quando a via.

Não sei se insista com as que já tenho ou se compre novas, completamente diferentes. Não sei se tente adoçar uma outra chupeta para ela lhe pegar. Não sei se simplesmente abandone a ideia e a deixe sem chupeta.

Não sei... só queria poder voltar à manhã de sábado e estar mais atenta e não ter perdido a sua "outa pupa"!

quinta-feira, 24 de março de 2016

Passados quase 3 meses...

...deste post...

Ando a convencer-me a mim própria que preciso mesmo de emagrecer. Não meramente perder peso, mas acima de tudo perder volume e tonificar (aumentar a massa magra).

Ando a considerar reinscrever-me na piscina (é algo que me dá prazer e por isso normalmente vou conseguindo manter).

Ando a ponderar consultar um@ nutricionista (alguém recomenda algum na zona do Porto?) - é certo que já sei tudo o que devo fazer mas quem sabe com acompanhamento profissional...

Ando a pensar como organizo a minha vida para a parte da cozinha ser mais simples, mais regular e mais saudável.

Ando a estudar como ultrapasso a minha preguiça, o meu marasmo, a minha falta de motivação.

Ando a tentar descobrir como resolvo a minha cabeça para definitivamente dar este passo que tanto preciso.
Porque o maior problema está aí: na minha cabeça! (e na minha gulodice)...

terça-feira, 22 de março de 2016

E foi assim

Ontem não quis o biberão de manhã. Recusou-o simplesmente. Algo nunca visto.

Esta noite acordou às 2:45, estive com ela até às 5:15, hora em que fui substituída pelo pai. Adormeceu já perto das 6:00h... Pensei que ia recuperar o sono e dormir até mais tarde.
Mas acordou à hora habitual, pelas 7:50, a chorar desesperadamente. Acho que anda com pesadelos. Tinha a cara lavada em lágrimas quando lá cheguei e um ar muito assustado.
Pegou no biberão como se ontem não tivesse existido. Bebeu-o todinho e aconchegou-se a mim no final.

quarta-feira, 16 de março de 2016

O Principezinho

O Principezinho - Edição cartonada

Este foi o primeiro livro que comprei para a S., estava ela ainda internada na Neonatologia.
E este é o seu livro favorito. Não tem muitas imagens, está repleto de texto mas é aquele que a prende por mais tempo. Folheia-o para trás e para a frente. Comenta os desenhos, faz de conta que lê, palra a cada página. Pede-o mal o vê ("o pimpe").
Acho que vou ter de comprar outro exemplar para quando ela souber ler (está a começar a ficar um pouco marcado do uso), mas espero que ela aprecie a sua leitura tanto quanto gosta de o folhear agora! Foi para isso que lho comprei!

terça-feira, 15 de março de 2016

Hidratos de Carbono

E depois de ver esta imagem:
Tenho de repensar seriamente o meu consumo de hidratos de carbono... (e, claro, os da minha pequerrucha também).

Sabes que estás a ficar como a ovelha* quando...

...vais à sala de jantar buscar o biberão que está em cima da mesa e chegas à cozinha com as chaves do carro;

...fazes a viagem de quase 15 minutos até casa da sogra para deixar a filha e só quando sais de lá é que te apercebes que saíste de casa sem bolsa, sem telemóveis... nada... e quando estás a meio do caminho de regresso a casa, lembras-te que não deixaste na sogra o carrinho da bebé;

...cruzas com uma colega de trabalho numa loja de roupa, ela te diz que ainda vai espreitar a secção de criança e tu ficas a pensar "estará grávida?", quando estás farta de saber que ela tem um filho com uns 8 anos (que passa a vida a aparecer na empresa)
* completamente Choné! :)

segunda-feira, 14 de março de 2016

20 meses

Hoje a S. faz 20 meses.
É certo que não posso pôr-me a contabilizar todos os dias 14 e levar-lhe presentes mas hoje fui à Ikea e vi lá este peluche e perdi-me.
Ela adora pandas (apesar de ainda não estar sintonizada nesse canal)! E por 2,99€ achei por bem comprar-lhe este mimo.
Parabéns, bebé! :*

O primeiro corte de cabelo

O cabelo da S. já há muito que andava a dizer-me que precisava de ser cortado.
Com ganchos lá se ia controlando a ida para a frente dos olhos, mas já começava a estar comprido de mais, tanto à frente como atrás.

Na sexta feira lá me decidi a tratar do assunto e marquei ida à cabeleireira no sábado. E no sábado de manhã lá aparecemos.

O salão estava vazio aquando do momento crucial, e isso parece-me ter facilitado um pouco o processo.
A S. choramingou um bocadito mas no geral portou-se bem.
E saiu de lá ainda mais linda (se é que tal é possível).
O novo corte faz-lhe a cara mais redodinha, fica com ar mais menininha! E já não há o problema do cabelo sempre a fazer cócegas nos olhos! :)

sexta-feira, 11 de março de 2016

Babyoga

A S. passa muito tempo em casa e convive diariamente com muito poucas pessoas - eu, o pai e a ama. Mesmo ao fim de semana, raramente está com mais pessoas que os avós maternos (quando lá vão a casa), e os avós paternos, os tios e os primos, quando vamos almoçar a casa dos meus sogros.
Uma vez por outra, lá temos uma ida ao café ou uma festa de aniversário...
Mas o grosso do tempo é mesmo em casa, com 3 pessoas... O mesmo espaço, o mesmo tipo de interação...

Estava na hora de a expôr a outras coisas, outros espaços, outros estímulos, outras pessoas.
Lembrei-me do yoga (ou babyoga, neste caso).
No fim de semana passado fomos experimentar uma aula, na Maia. A S. passeou pela sala mais do que fez qualquer exercício, como seria de esperar numa primeira experiência, mas pessoalmente gostei.
O espaço é amplo, bom para ela circular e a atividade calma para a transição não ser demasiado radical.
É pena que, no sítio onde fomos, apenas haja mais uma criança a fazer a aula. Gostaria que houvesse um pouco mais (não muitas, mas umas 3 ou 4 seria perfeito).
Mas não é muito longe de casa (cerca de 20 minutos de carro (quando se mora no fim de mundo, isto é pertinho)) e o horário é bom (manhãs de sábado às 10-10.30).

Amanhã voltamos. A ideia é experimentar pelo menos um mês completo para ver como a S. evolui. E depois vemos se continuamos ou se procuramos outro sítio ou outra atividade.

quinta-feira, 10 de março de 2016

Chupeta e como temos de estar atentos!

A minha pequenina é doida pela chupeta (a "pupinha", como ela lhe chama). Desde sempre se agarrou a ela e tê-la acalma-a.
Até há uns meses atrás tínhamos 2 iguais que ela usava indiscriminadamente, sem notar diferenças entre elas. Quando uma caía ao chão, havia sempre outra pronta a ser usada, caso necessário.
Um dia, a cadela dos meus sogros apanhou uma das chupetas e desfez a coitada em bocadinhos.

Comprei outra mas a S. meteu-a à boca e rejeitou-a de imediato. Voltamos a tentar mais algumas vezes, mas, apesar de visualmente serem muito semelhantes, uma é nova e a outra já não é, e a S. não se deixou enganar.
Desde essa altura, só há uma chupeta e ela usa-a intensivamente.
Tenho imenso medo de a perder ou que ela se estrague, porque sei a falta que lhe faz... Não sei como será o dia em que a chupeta desaparecer. Nem o quero imaginar.

Por causa disso, e porque a bebecas anda com umas manchas avermelhadas na carita, mais junto da boca (que achamos poder ser alguma reação ao estado de uso da chupeta), hoje decidi comprar uma nova chupeta e tentar introduzi-la.
Não vai ser fácil... nem sei se o conseguiremos, mas temos de tentar.

Curiosidade: 
Fui comprar a chupeta ao Marshoping, Espreitei a farmácia e a parafarmácia do Jumbo, que ficam frente a frente, A diferença de preço de um sítio para o outro era de cerca 1€ (na primeira 4,65€, na segunda 3,69€), por isso comprei a chupeta na parafarmácia.
Já que lá estava, espreitei também o preço das fraldas (há praticamente 1 ano que apenas compro da Libero). Na farmácia - 4,51€ (mais barata 0,59€ que o sítio onde habitualmente compro, por isso aproveitei e trouxe duas embalagens), na parafarmácia - 6,69€. Mais de 2€ de diferença! Um exagero!
Lição: não se pode simplesmente assumir que um sítio é mais barato que outro. Depende dos produtos. Há que estar atento!

quarta-feira, 9 de março de 2016

Primark

Em resposta a esta pergunta: São mesmo, definitivamente, os preços baixos!

Tem coisas engraçadas para bebé, embora longe das coisas lindas que encontro em outras lojas! E a qualidade poderá não ser a melhor.
Mas caramba, os preços são (praticamente) imbatíveis.
E quando tem de ser vestir crianças, que crescem rapidamente (ou nem tanto no caso da minha pequenita, mas não importa), tem de se fazer contas à vida e não se pode, infelizmente, estar sempre a comprar roupa mais cara.

Hoje só lá ia para comprar mini meias para mim! Um pack de 5 pares a 2€ não é fácil de encontrar noutros sítios.
Caí "no erro" de ir à secção de criança/bebé. Vim de lá com mais um conjunto vestido/camisola por 5€, um bolero por outros 5€ e mais um casaquito por 3,5€.
Pechinchas!! Mas ainda assim... Tenho mesmo de me manter afastada daquela loja!

terça-feira, 8 de março de 2016

De parabéns hoje

Hoje é dia de aniversário de duas pessoas que me são muito queridas.

Um tio, irmão mais novo da minha mãe, por quem sempre nutri um afeto muito especial. Foi companheiro de brincadeiras quando éramos miúdas (faz diferença da minha irmã apenas 8 anos, e de mim 10), uma referência na nossa juventude e gosto imensamente dele.
A vida tem sido um pouco madrasta para ele nos últimos anos, mas quero acreditar que ainda tem pela frente muitas coisas boas para viver. Afinal, ainda só faz 49 anos! :)
Parabéns!

O outro aniversariante é o meu sobrinho mais pequenino. O R. faz hoje 5 anos.
Há 5 anos recebia uma mensagem, às 7h da manhã, anunciando o seu nascimento, muito antes do tempo previsto. A minha irmã já há umas semanas que estava internada, em repouso absoluto, e medicada contra as contrações, para atrasar ao máximo o parto.
Mas às 26 semanas e 3 dias de gestação, o R. achou que era hora de saltar cá para fora. Nasceu num dia de Carnaval, pregando uma partida à mãe, ao pai... à família toda.
Não soube ao certo o que a minha irmã passou até eu mesma passar por algo semelhante com a minha S. (que, diga-se de passagem, decidiu ser ainda mais apressada que o primo). O facto de ela viver lá longe nos algarves contribuiu para esse facto.
Sei hoje que passou as passas do algarve (bem adequado, lol), que o processo de acompanhamento de um prematuro não se limita a esperar que ele aumente de peso para ir para casa, que não se trata de ter apenas paciência.
Sei hoje que o R. pequenino é um vencedor, um lutador, e que a minha irmã é uma verdadeira heroína, como são todas as mães de prematuros (especialmente dos extremos), e ainda mais no caso dela que tinha um outro R. também ainda muito pequeno, com apenas 21 meses, a precisar imenso dela.
Hoje o R. é um reguila e está de parabéns!
Mas também estão os pais que lutaram por ele!

One down, five to go

Ontem foi dia de mais umas consultas da pequenita.
Passei a manhã toda no HSJ mas vim de lá satisfeita. Além de boas referências na consulta de Desenvolvimento (a médica só pretende voltar a vê-la pelos 3 anos), a S. teve alta em cardiologia. Menos uma! :)

quarta-feira, 2 de março de 2016

E já são quatro! :)

Ontem ficou visível o quarto dentito da minha pequenina! Fica tão castiça!
Estão a ser tardios, e aparecem por uma ordem pouco vulgar, mas a S. também não é uma criança qualquer! :)

O andar está cada vez mais confiante e consistente mas ainda lhe falta "um bocadinho assim" para se poder verdadeiramente dizer que já anda!

No falar é que nos surpreende todos os dias. Diz imensas coisas, associa corretamente as palavras aos objetos, já se começa a fazer entender.
Quando precisa de ajuda diz "Aiuda".
Quando quer entregar algo diz "Dá" (é o que ouve no sentido contrário, quando lhe pedimos, não é?).
Diz "panha" para apanharmos algo. Diz "zeite" quando passamos junto ao armário onde o azeite está guardado.
Retém nomes das pessoas e associa a acontecimentos.

Ontem na troca da fralda pôs-se a brincar, muito entretida, com o dedão de um dos pés. A dada altura larga aquele dedo e diz "ôto pé", e agarra o dedão do outro pé! Achei maravilhoso! :D

terça-feira, 1 de março de 2016

Da amamentação

No blogue da Joana "corre um debate" sobre a amamentação.
Um daqueles temas quentes da maternidade, ao qual se juntam a alimentação pós aleitamento exclusivo, a cinta pós parto, parto natural vs cesariana,...

Não sou radical nem extremista em nenhum dos temas. A vida ensinou-me que não vale a pena, que é ela que trilha alguns caminhos por nós.

Não é novidade que a S. nasceu super prematura.
Passaram mais de 3 meses desde o seu nascimento até que a sua alimentação deixasse de ser feita por sonda. Estando ela internada seria impossível amamentação em exclusivo. Além disso, ao fim daquele tempo, já a preocupação, o stress e o cansaço tinham praticamente esgotado a minha produção de leite.
Consegui tirar leite durante uns tempos e foi com ele que ela foi alimentada nos primeiros tempos, mas a quantidade foi diminuindo cada vez mais e chegou a um ponto em que estava mais de 20 minutos com a máquina colada às mamas para tirar 10ml...
A dado ponto desisti.
Na verdade, acho que desisti ainda antes disso, quando optei por não me levantar a meio da noite para tirar leite / estimular a produção. O meu estado de espírito não era compatível com noites interrompidas. Dormir bem era a única coisa que me mantinha minimamente sã.

Se gostava de ter amamentado? Sim, gostava. Acho um momento bonito de partilha entre mãe e filh@.
Mas não tenho arrependimentos de não ter feito mais esforço. E nunca ninguém teve a coragem de me apontar o dedo.

Facto de hoje #2

Voltei a ver um 7 na casa das dezenas do meu peso! (isto deveria assustar-me mas acho que ando em estado dormente no que concerne a este tema...)